ESTUDANDO O PAGODE

Ficha Técnica

Produtores Executivos: João Marcello Bôscoli, André Szajman e Cláudio Szajman

A&R: JMB

Idealização: Tom Zé

Presença e Força: Neusa S .Martins

Produção: Jair Oliveira (S de Samba)

Arranjos: Jair Oliveira, Tom Zé e Paulo Lepetit

Supervisão Geral e Casting: Arthur Nestrovski

Gravações: Rodrigo Sanches (Estúdios Trama) e Paulo Lepetit (Estúdios Wah Wah)

Mixagem: Rodrigo Sanches (Estúdios Trama)

Masterização: Marcos Eagle (Estúdios Trama)

Coordenação de Produção: Neusa S.Martins

Apoio de Produção: Tania M.L.de Freitas

Coordenação de Produção (Trama): Andréa Colmatti

Pesquisa do Machismo Baiano: Marcos Botelho

Assessores Juvenis: Fernanda Dellomo (16 anos)e Pedro Luiz (16 anos)

Preparação Vocal: Dra.Mara Behlau e Dr.Osiris Camponês do Brasil

Expressão Corporal: Laura Huzak Andreato

Biógrafa: Tatiana Lima

Participações Especiais: Luciana Mello (artista gentilmente cedido pela Universal Music); Zélia Duncan (artista gentilmente cedida pela Universal Music).

ESTÚDIO ELIFAS ANDREATO

Projeto Gráfico: Elifas Andreato

Assistente de Arte: Polyana Achcar Frigo

Direção Executiva: Bento Huzak Andreato

Supervisão Editorial: João Rocha Rodrigues

Banda de Tom Zé: Lauro Léllis (Bateria); Jarbas Mariz (Percussão,Vocal,Viola e Cavaquinho); Sérgio Caetano (Guitarra,Vocal e Violão);

Cristina Carneiro (Teclados,Vocal e Garrafas); Daniel Maia (Baixo,Violão 7 Cordas e Vocal).

Sob a proteção espiritual de Mãe Melânia

JAIR OLIVEIRA

Por sugestão de João Marcello Bôscoli,me aproximei de Jair e comecei a agir como um ridículo professor,apesar de sua formação sofisticada,que inclui o Berklee College of Music,a partir de 1993.Quando lhe passei as músicas deste disco eu estava desesperado: vinha tentando um tipo de canção menos cognitiva,que desse grande peso à emoção, perseguindo o que em Tropicalista Lenta Luta chamo de “beleza do canto e do cantar “O desespero advinha da dificuldade de lidar com a simplicidade.Então Jair Oliveira me deu um troco de raposa:o que havia conversado com ele durante dois anos estava na ponta da língua. Cada sugestão de arranjo que me mostrava continha o espermatozoide das conversas, multiplicado pelo manuseio possível a um músico como ele, explodindo em argúcia, adequação e proficiência.

RODRIGO SANCHES

Chamar Rodrigo de técnico ou de engenheiro de som é uma incompletude. Ele me dava sugestões razoáveis,me dirigia nas ausências de Jair,adivinhava objetivos nossos e muitas vezes uma opinião dele me fazia mudar o caráter da composição.

1. AVE DOR MARIA (Música:Tom Zé e Gilberto Assis. Letra:Tom Zé). Arranjo:Jair Oliveira e Tom Zé. Coro das Rezadeiras:Benzedeira Marieta C. Salles;Benzedeira Eloísa da Silva;Rezadeira Amália Costa (casting por Augustinha). Programação,Efeitos,Guitarra, Baixo e Teclados:Jair Oliveira. Folha de Fícus:Tom Zé e Folhinha. Vozes:Tom Zé,Suzana Salles e Jair Oliveira.

2. ESTÚPIDO RAPAZ (Tom Zé). Arranjo:Jair Oliveira e Tom Zé. Violões,Baixo,Guitarra,Efeitos,Programação:Jair Oliveira. Assobios:Tom Zé.  Percussão:Márcio Forte e Jarbas Mariz. Cavaquinho:Webster Santos. Vozes:Tom Zé,Suzana Salles e Jair Oliveira. Jegue:Luciana Paes de Barros.

3. PROPOSTA DE AMOR (Música:Tom Zé e Gilberto Assis. Letra:Tom Zé). Arranjo:Paulo Lepetit,Tom Zé e Jair Oliveira. Percussão:Guilherme Kastrup. Bandolim:Webster Santos. Violões:Gilberto Assis. Violões Base:Tom Zé e Sérgio Caetano.  Baixo,Guitarra e Programação:Jair Oliveira. Voz:Tom Zé. Vocais:Vange Milliet e Ceumar. Fada Adriana Bem-Ciel:Mônica Fuchs.  Playback extraído da trilha do espetáculo Santagustin,do Grupo Corpo.

4. QUERO PENSAR (A MULHER DE BATH)(Tom Zé). Arranjo: Jair Oliveira e Tom Zé. Programação,Violões,Efeitos e Teclados:Jair Oliveira. Percussão:Da Lua. Vozes:Luciana Mello e Tom Zé. Participação especial:Luciana Mello.

5. MULHER NAVIO NEGREIRO (Tom Zé). Arranjo:Jair Oliveira e Tom Zé. Percussão Corporal,Violões e Assovios:Jair Oliveira. Voz:Tom Zé. Percussão:Da Lua.

6. PAGODE-ENREDO DOS TEMPOS DO MEDO (Tom Zé). Arranjo:Tom Zé e Jair Oliveira. Percussão:Guilherme Kastrup. Baixo:Gilberto Assis. Violões:Gilberto Assis. Folha de Fícus, Pente,Garrafas e Apitos:Tom Zé. Metais:Bocato (Trombone de Brinquedo e Trombone Convencional)e Tom Zé (Diversos Instrumentos Infantis Glissados). Vozes:Tom Zé e Suzana Salles. Programação Extra,Efeitos e Vocais:Jair Oliveira. Sound Design:Rodrigo Sanches.

7. CANÇÃO DE NORA (CASA DE BONECAS)(Tom Zé). Arranjo:Jair Oliveira,Paulo Lepetit e Tom Zé. Bateria:Guilherme Kastrup. Violões:Webster Santos e Paulo Lepetit. Baixo:Paulo Lepetit. Percussão:Guilherme Kastrup. Programação,Teclados e Efeitos:Jair Oliveira. Vozes:Tom Zé,Suzana Salles e Jair Oliveira.

8. O AMOR É UM ROCK (Tom Zé). Arranjo:Jair Oliveira e Tom Zé. Programação,Teclados,Efeitos,Guitarra e Baixo:Jair Oliveira. Percussão:Da Lua. Vozes:Tom Zé,Suzana Salles e Jair Oliveira.

9. DUAS OPINIÕES (Tom Zé). Arranjo:Jair Oliveira e Tom Zé. Violão:Jair Oliveira. Vozes:Zélia Duncan,Suzana Salles e Tom Zé. Participação Especial:Zélia Duncan.

10. ELAEU (Tom Zé). Arranjo:Jair Oliveira e Tom Zé. Programação,Violões,Baixo, Guitarra,Teclados,Vocal e Efeitos:Jair Oliveira. Vozes:Edson Cordeiro e Tom Zé. Vocais:Rodrigo Sanches,Tom Zé,Jair Oliveira e Edson Cordeiro. Participação Especial:Edson Cordeiro.

11. VIBRAÇÃO DA CARNE (Tom Zé). Arranjo:Jair Oliveira e Tom Zé.  Programação e Violão:Jair Oliveira. Violão 7 cordas e Cavaquinho:Edmilson Capeluppi. Percussão:Da Lua. Vozes:Tom Zé e Jair Oliveira. Gozo Feminino:Luciana Paes de Barros. Playback extraído da trilha do espetáculo Santagustin,do Grupo Corpo.

12. PARA LÁ DO PARÁ (Tom Zé). Arranjo:Jair Oliveira e Tom Zé. Programação,Efeitos e Assovios:Jair Oliveira. Percussão:Da Lua. Violão 7 cordas e Cavaquinho:Edmilson Capeluppi. Garrafa:Giba Motoqueiro. Voz:Tom Zé.

13. PRAZER CARNAL (Tom Zé). Arranjo:Jair Oliveira e Tom Zé. Programação,Teclados,Violões,Piano e Efeitos:Jair Oliveira. Vozes:Patrícia Marx,Jair Oliveira e Tom Zé.  Participação Especial:Patrícia Marx.

14. TEATRO (DOM QUIXOTE)(Tom Zé). Arranjo:Jair Oliveira e Tom Zé. Teclados,Efeitos e Violão:Jair Oliveira. Percussão:Márcio Forte e Jarbas Mariz. Programação e Percussão:Paulo Lepetit. Vozes:Tom Zé e Jair Oliveira.

15. A VOLTA DO TREM DAS ONZE (8,5 MILHÕES DE KM 2 )(Tom Zé). Arranjo:Jair Oliveira e Tom Zé. Percussão:Da Lua.  Violão 7 Cordas e Cavaquinho:Edmilson Capeluppi. Vozes:Tom Zé e Jair Oliveira. Sound Design:Rodrigo Sanches.

16. BEATLES A GRANEL (Tom Zé). Arranjo:Jair Oliveira,Tom Zé e Paulo Lepetit. Violão,Teclados e Efeitos:Jair Oliveira. Efeitos,Percussão e Programação:Paulo Lepetit. Vozes:Tom Zé,Suzana Salles e Jair Oliveira.

Contatos

www.tomze.com.br

tomze@uol.com.br

(11)3673 5489 begin_of_the_skype_highlighting

(11)3673 5489end_of_the_skype_highlighting /3672 9801

EXERCÍCIOS DE HARMONIA INDUZIDA

CONJUNTO DE FOLHAS DE FÍCUS

O fícus tem uma folha maleável.Em Irará as crianças dobram essa folha e amassam uma das pontas do canudo resultante,de forma que fica igual a uma biqueira de oboé.
Se a assopramos com cuidado conseguimos um som nasal e renitente.
Em São Paulo,o Colégio Batista,em Perdizes,é cercado de fícus; um dia eu peguei algumas folhas e levei para o estúdio de Paulo Lepetit.
Com ele e Gilberto Assis, passei um dia gravando tudo que eu conseguia com o incipiente instrumento. Interessava-me justamente a dificuldade de ele adaptar-se à escala diatônica,produzindo um som glissado e microtonal.

HARMONIA INDUZIDA
para uma velha aspiração: tentar um canto popular com mais de um centro de referência tonal:um jogo de simultaneidades como aquele que a gente já vê em algumas histórias em quadrinhos,filmes,e em outros brinquedos.
Persigo isso também através de uma harmonia induzida,que acontece quando o acompanhamento fica parado na tônica,e o cantor,com a cumplicidade do ouvinte,canta o tempo todo “corrigindo ” a harmonia.

Tudo aqui seria melhor jogar fora,não fosse uma tendência inata de praticar brincadeiras semelhantes àquelas que vi,ouvi e das quais participei na infância,com a música sertaneja. Aquela mais crua,que da própria insipiência tira soluções proveitosas.Essa insipiência é a veia do meu interesse.

Músicas

PRIMEIRO ATO

1. Ave Dor Maria 3:27
2. Estúpido Rapaz 3:23
3. Proposta de Amor 2:24
4. Quero Pensar (A Mulher de Bath) 4:01
5. Mulher Navio Negreiro 5:01
6. Pagode-Enredo dos Tempos do Medo 4:10

SEGUNDO ATO

7. Canção de Nora (Casa de Bonecas) 1:47
8. O Amor é um Rock 4:14
9. Duas Opiniões 4:46
10. Elaeu 4:33
11. Vibração da Carne 3:34
12. Para Lá do Pará 4:02
13. Prazer Carnal 4:40

TERCEIRO ATO

14. Teatro (Dom Quixote) 4:52
15. A Volta do Trem das Onze
(8,5 Milhões de Km2) 5:04
16. Beatles a Granel 3:23

Letras:

1. AVE DOR MARIA
MÚSICA: Tom Zé /Gilberto Assis
LETRA: Tom Zé

MÚSICA INCIDENTAL: Ave Maria, de Bach/Gounod
Coro das rezadeiras: Ave Maria, cheia de graça, o Senhor é convosco, bendita sois vós
entre as mulheres, bendito é o fruto do vosso ventre, Jesus. Santa Maria, Mãe de Deus, rogai por nós, pecadores, agora e na hora de nossa morte. Amém.
Coro dos acusadores: Mulher é o mal Que Lúcifer bota fé.
Quando achou Primeiro ovo do Cão Ela chocou.
Cru, Belzebu
Do rabo fez um pirão Foi o pão
Que o diabo amassou E ela assou.
Mônica Sol-Musa: Ave Maria! Aqui por nós, Maria,
Vem levantar a voz.
Tem misericórdia da mulher, Nas aflições
Que o homem cria contra nós.
Coro das mulheres: De giz Me cobris
De tanta lama e ferida.
Argüis
O nada contra o nariz, Ó suicida,
Coro dos acusadores: Mulher é o mal… etc Coro das mulheres: E vês
Toda vez
A tua morte plural Viuvez
Procuras doce no sal, E nem me vês.
Coro dos acusadores: Cru, Belzebu… etc
Coro das mulheres: Essa mão, Tua senha
Pela navalha da luz.
E no credo
A outra mão não te nego, Desce da cruz!
Desce da cruz!
Desce da cruz!

2. ESTÚPIDO RAPAZ

Tom Zé
Rebeca do Mato: Rapaz, rapaz, rapaz Estúpido rapaz,
Da mulher, mulher, mulher, Deixa de pegar no pé.
A saber, saber, saber Em que planeta irá você,
Com tão pouco troco no bolso, Açúcar sugar nesse doce-de-coco.
Rebeca do Mato: Se você vem numa boa Pode vir,
Também não tô à-toa.
Eu te boto no colo,
Te dou pão e mingau.
Mas se você vem de cacete, Pode vir
Que eu vou de pedra e pau.
Maneco Tatit: Eu sei que é Perder meu tempo
Agir assim;
É prolongar
Inimizade velha que dói.
Se a mulher Deixar de Confiar em mim Eu vou parar
Onde não dá pra parar.

PROPOSTA DE AMOR
MÚSICA: Tom Zé /Gilberto Assis
LETRA: Tom Zé

Maneco Tatit: Ó garota, Eu te convido para um novo tipo de amor, Menos novela, muito mais solidário será,
A renovada confiança de ser Que a mulher há de ter
Quando a senha do mistério digitar. Assim será!
Ó garota,
Eu contra ti já inventei os deuses, a lei, E pela carne do pecado te condenei Tô convencido que essa guerra suja Foi longe demais
E te ofereço um acordo de paz. Assim será!
Em muitos países do mundo a garota Também não tem o direito de ser.
Alguns até costumam fazer Aquela cruel clitorectomia.
Mas no Brasil ocidental civilizado Não extraímos uma unha sequer Porém na psique da mulher Destruímos a mulher.
Agora estou a esperar
Uma resposta de amor e afeto. Você de saia, eu de calça,
E o luar será nosso teto.
Uma cartinha de amor Politicamente correta Você de saia, eu de calça,
Felicidade será nossa meta. Assim será!

4. QUERO PENSAR (A MULHER DE BATH)

Tom Zé

Mãe Jussara Saveiro: Assim será o quê, seu vagabundo?! Primeiramente esse seu tititi de politicamente pro eleitorado:
E que diabo de cachaça Tem a saia com a calça?
Parece até que o velho algoz Quer pegar nós
Cochilando e apertar o cós.
Maneco Tatit: Tira a meleca do nariz Pra não borrar tudo que diz:
Dizia meu avô,
Mulher assim é o diabo, é o demônio, é o pecado
Mãe Jussara Saveiro: Dizia minha avó Que mentiroso torce o rabo
E deixa o galo encurralado.
Maneco Tatit: Ora, vá lamber sabão E chupar dedo com limão,
Porque no jogo que tu tás Quer botá fogo sem ter gás E dar um golpe no rapaz.
Mãe Jussara Saveiro Mas eu não vou ficar Cozendo sapo nesse trato:
Amarre o saco
Num contrato mais sensato E a nossa paz
Assim vira de fato,
Meu caro rapaz, meu carrapato, Meu caro rapaz, meu carrapato.
Bete Calla-os-Mares: Quero pensar, meu bom rapaz, Numa boa:
Não se dá um “sim” assim à-toa. Quero pensar, meu bom rapaz, Numa boa,
Talvez tocando no piano Da patroa.
Finalmente sonhar…
Felicidade sim, sonhar, sonhar, Feliz se dar ao sonho
No raio e na raiz,
Se ao sonho contraponho Onde ponho meu nariz.
Tristeza, não. Tristeza fim, Tristeza bem longe de mim.
Quero pensar… etc.
E de chinela,
De só de chinela, de só de chinela Vou pensar com meus anéis
E adotar nessa novela
Caldo de galinha com cautela.
E de chinela
De só de chinela de só de chinela Vou contar de um a dez
Pois quem tem calma assa o peru E o apressado come cru
Finalmente sonhar…
Felicidade sim, sonhar, sonhar O eterno amor sonhar
Em termos ancestrais. Não aquela eternidade De Vinicius de Moraes. Tristeza não, tristeza fim,
Tristeza bem longe de mim.
Bete Calla-os-Mares, recitativo: Então tá, meu bom rapaz. Vou pensar no seu caso. Mas primeiro quero lhe mostrar algumas das crueldades que caíram sobre a mulher nestes
séculos. Então fique aí escutando, vamos ver.

5. MULHER NAVIO NEGREIRO

Tom Zé

Advogado das mulheres: Mulher – Divino Luxo – Navio Negreiro
………………………………………………….
O macho pela vida Se valida
A molestar a mulher Se diverte.
Apavorada,
Ela, que se péla, Pouco pára de pé, E padece.
Quando ele pia, pia, pia,
Pra inibir na mulher o animal, Talvez eu ria, ria, ria,
Vendo ele transar uma boneca de pau, Com seu incubado,
Calado, colado, pirado pavor Do segredo sagrado.
Por isto existe no mundo Um escravo chamado
Mulher – Divino Luxo – Navio Negreiro Graal – Puro Cristal – Desespero Rosa-robô – Cachorrinho – Tesouro, Ninguém suspeita dor neste ideal,
A dor ninguém suspeita imperial.
Eucaristia – Ascensão – Desgraça,
Filé-mignon – Púbis, Traseiro – Alcatra,
Banca de Revista – Açougue Informal – Plena Praça, Ninguém suspeita dor neste ideal,
A dor ninguém suspeita imperial.

6. PAGODE-ENREDO DOS TEMPOS DO MEDO

Tom Zé

Por ordem de entrada
Advogado das mulheres: Tom Zé

(barítono)
Coro do Cinema Novo: Tom Zé

(barítono), Suzana Salles (soprano), Suzana Salles (contralto), Jair Oliveira (tenor)
Coro da Semana de 22: Tom Zé

(barítono), Suzana Salles (soprano), Suzana Salles (contralto), Jair Oliveira (tenor)
Coro da Poesia Concreta: Tom Zé

(barítono), Suzana Salles (soprano), Suzana Salles (contralto), Jair Oliveira (tenor)
Vinícius de Moraes, Baden Powell, Comissão de frente Antonio Carlos Jobim, Menescal,
Ronaldo Bôscoli, Nara Leão,
Carlos Lira, Miéle e o feminino João.
Doutor, você é bom de colarinho Ala Coluna Prestes Mas não fez a bossa-nova sozinho.
O que te ilude é Roliúde, Ala Cinema Novo Roliúde-ude,
A Cinderela bugue-ugue, Bugue-ugue bugue, Prefiro meu pagode-wood, God me sacode,
Te deixo com teu rock-bode.
Doutor, este teu papo não cola: Ala Semana de 22 Você vaiou a bossa-nova n´O Pato.
A gente, além de não ter escola,
Essa cultura de massa é um saco-de-gato.

Saco-de-gato, saco-de-gato Ala Poesia Concreta
Saco-de-gato, saco-de-gato.    

O desentendimento se torna tal que o planeta explode em desacordo, guerra e confusão, dando fim a uma era da vida humana.

7. CANÇÃO DE NORA (CASA DE BONECAS)

Tom Zé

Homem do Gênesis: Sobre o abismo pairava Deus:
O homem era um dos aliados Seus.
Era de se ver, Era de se ver.
Mas Nora ignora os poderes Reais,
O chicote, a espada e suas leis Morais.
Era de se ver, Era de se ver.
E quando decide escrever O seu próprio roteiro, Quebrar as correntes
Do secular cativeiro,
Então ela pede Às forças do sangue Valia
E logo a sala se torna, Da sua pessoa, Vazia.
Coro de Ibsen: Na hora em que Nora Sai, bate a porta
Abre-se um vão
O céu quase aborta A lei que era morta
Cai no porão.

8. O AMOR É UM ROCK

Tom Zé

MÚSICA INCIDENTAL: Meu Primeiro Amor, de Hermínio Gimenez, versão de José Fortuna e Pinheirinho Jr.
Jasão chora os filhos mortos: Se você tá procurando amor
Deixe a gratidão de lado:
O que que amor tem que ver Com gratidão, menino,
Que bobagem é essa?
Dr. Burgone: O amor é egoísta,
Coro de Medéia: Sim – sim – sim, Tem que ser assim.
Dr. Burgone: O amor, ele só cuida Coro de Medéia: Si – si – si
Só cuida de si.
Dr. Burgone: Então quer dizer que o amor é mesmo sem caráter?
Coro de Medéia: Sim – sim – sim – sim Tem que ser assim,
Dr. Burgone: E sem caráter, de quem é que ele cuida? Coro de Medéia: Si – si – si
Só cuida de si.
Medéia, Ariadne e Electra: Sem alma, cruel, cretino, Descarado, filho da mãe,
O amor é um rock
E a personalidade dele é um pagode.
Canto de Ofélia: Meu primeiro amor Tão cedo acabou
Só a dor deixou Neste peito meu.
Meu primeiro amor Foi como uma flor Que desabrochou E logo morreu.
Nesta solidão, Sem ter alegria O que me alivia
São meus tristes ais.
São prantos de dor Que dos olhos saem Pois que eu bem sei Quem eu tanto amei Não verei jamais.

9. DUAS OPINIÕES

Tom Zé

Zélia Bamba: Ridículo chorar, Patético viver,
Paradoxal prazer, Apologia do sofrer.
Mônica Sol-Musa: Leal, fiel, Ilusão
Não sabe quem não quer
1 Meu bem chora por ti,
Soluço pra te ver chorar
Cantando venho soluçar.
Recitativo-fuxico de Maneco Tatit: Mas meninas, vocês souberam? Foi o pagode, foi o pagode. Foi o pagode, esse alcoviteiro sem vergonha, lascivo, que foi perverter, desviar, desatinar a cabeça de um rei da Inglaterra, que largou a coroa, largou tudo por causa desse pagode. Esse facilitador de namoro! E não respeita uma potência como a Inglaterra!
Que sujeito subvertedor da ordem, do respeito, da lei! Até na Inglaterra…
Zélia Bamba: Até na Inglaterra Ele destronou
Um rei
Que por sua paixão Abandonou o trono E a lei.
Até Santo Augustinho Por amor
Foi sua presa
E Deus, para esperá-lo Assistiu
muita proeza. No pagode, Decoro
Não tem lugar; É useiro Vezeiro
Mônica Sol-Musa: Ôô Aquele
Da sedução Ôô
A corte
Deixou de mão Ôô
Viveu Pecado só Sentiu
Em si Carne e pó É carne
Senhor, tem dó De ter em si Pecado e pó
Zélia Bamba e Mônica Sol-Musa: Em mal ma ma ma ma ma maltratar.

10. ELAEU

Tom Zé

Gueis A e B: Elaeu ela ela ela Ela elaeu
Elaeu ela ela ela Ela elaeu
Guei A: Ela
A coisa medonha Vive se orgulhando
Do que me envergonha.
Ela
Sendo meu avesso Usa do meu corpo Como endereço
E, presa de fraqueza Minha vontade ainda Duela
Com ela.
Gueis A e B: Elaela ela ela Ela elaeu
Elaeu ela ela ela Ela elaeu.
Guei B: Ela
Este meu oposto Que a contragosto Tanto me fascina.
Ouso
Mesmo receoso Procurar seu rosto
E louco e sem conselho Pela sua face
Me vejo no espelho.
Gueis A e B: Elaeu ela ela ela Ela elaeu
Elaeu ela ela ela Ela elaeu

11. VIBRAÇÃO DA CARNE

Tom Zé

Coro das mulheres: Tortura que ela atura com fartura No viver social,
Então leve uma banana, também social.
Toda vez pela primeira vez
Que o cara sai com a garota, logo ali No bar tem um rali de tititi,
Amigos dele com ele – com ele, por ele. De repente, cara, ela encara
Um desaforo inocente – sente só, Que sai no subliminar do papo Com alho pelo soalho.
Tortura que ela atura… etc
Maneco Tatit: Desde criança a mulher Enfrenta aquela
Dissimulada agressão:
Eram descarados provérbios maldosos, E duros, naquele tom brincalhão.
E na dureza do escárnio
Se o amor-próprio se parte…
………………………………………………
Pode interromper no corpo Aquela natural vibração da carne, Gozo da mulher, que se o cara Não doar atenção – é tarde.
Coro das mulheres: Porque a dois, não dá pra viver,
Se somos dois, que seja a valer.
Baião-de-dois não dá, não dá pra fazer Sem dividir a bênção do prazer.
Maneco Tatit: Mas o castigo pior, a porrada Que agora o homem sofreu,
Foi daquele tipo de mulher
Que no seu desespero aprendeu E tentando imitar
Em atitude vulgar
Repete o idiota do machão No que ele faz de pior – agora Por exemplo, ela no volante
A debulhar palavrão – ó senhora!
Coro das mulheres: Porque a dois não dá pra viver… etc

12. PARA LÁ DO PARÁ

Tom Zé

Mulher: O que você pensa Eu sei que você pensa
Que a mulher não pensa Mas pensa
O que você quer
Eu sei que você quer Que a mulher não quer Mas quer
E quer muito mais para lá Dessa nossa disputa imbecil Quero,ali na fronteira
Do Tato e do Tempo, Estar nua no vazio,
Para que Deus me assalte o salto O salto além do sentimento.
Porém,depois dali,só me conduz Quem viaja nos braços do ano-luz, Para tomar a três vidas daqui
O trem atrasado do esmo, Que vai parar
Agora mesmo, Exatamente aqui. Exatamente aqui:
Para lá do Pará, Para lá do pensar, Para lá do pensar.
Para lá do Pará,
Para lá do pensar.
Para lá do pensar.
O que você pensa… etc.
Para lá do Pará Para lá do pensar Para lá do pensar
Para lá do Pará Para lá do pensar
E Pasárgada vem pra Maracangalha.

13. PRAZER CARNAL

Tom Zé

MÚSICAS INCIDENTAIS: Ária da Quarta Corda, de Bach; Dindi, de Tom Jobim; Amor em Paz, de Tom Jobim/Vinícius de Moraes
Rebeca do Mato: Prazer carnal, Querem te afastar do amor;
Como sinal
De chama e chuva, enxofre e sal
Sacode a fera em fúria animal.
Mas apesar de toda essa vergonha Com ele ainda a alma sonha
Fiar a renda, cuja lenda Deus há de cifrar,
Fiar a renda, lenda,
Será deus quem decifrar.
É quase um vintém; Quando a faísca vem, Só depois a tempestade Arrebenta o cais
E arrebenta mais, Pois o amor
É a coisa mais linda Quando o vento traz. Pois o amor
É a coisa mais linda Quando o vento traz.
Maneco Tatit: Se a mulher cultiva essa vibração Até
Se no casamento da paixão,
Será desvairada, possessa e meretriz, Uma louca varrida e sem juiz.
Céu, tão grande o céu Estrelas que são de ninguém Mas que são minhas
E de você também
Sobre você também
Rebeca do Mato e Maneco Tatit: Mas apesar de toda essa vergonha Com ele ainda a alma sonha
Fiar a renda cuja lenda Deus há de cifrar.
Fiar a renda, lenda,
Será deus quem decifrar.
Rebeca do Mato e Maneco Tatit: Pois o amor É a coisa mais linda
Quando o vento traz.
Pois o amor
É a coisa mais linda Quando o vento traz.

14. TEATRO (DOM QUIXOTE)

Tom Zé

Dom Quixote: Tem teatro no canto do bode, Agora também no pagode.
…Que somente os dementes, os loucos, os teatros, Os corações, os quixotes, os palhaços,
Podem vencer os dragões aliados Aos caminhões e aos supermercados.
E assim retornando essa doce loucura
Que o transe, o abandono e o delírio procura Pra devolver ao amor plenitude
No êxtase ter-se outra vez a virtude.
Que a inocência, essência do sonho, devolva Os sais abissais do amor às alcovas.
Desta casa onde casa e se cria Um degrau
Da minha catedral
O teatro do ator que recria Quixotes de Espanha
La Mancha e Bahia.
E pelo arauto
No alto do palco
Onde o mito vomita uma história Que repete a estória da história.
O canto do bode Espermatozóide
E o pagode na prece
Do samba-enredo reconhece
Sancho Pança: Que somente os dementes… etc

15. A VOLTA DO TREM DAS ONZE (8,5 MILHÕES DE Km)

Tom Zé

Maneco Tatit: Pra Iracema em Jaçanã A esperança parece vã
Mas na maloca, Adoniran
Já se reforça, com tapioca, caldo de rã,
E convoca Joca pra derrotar Leviatã e Tio Sam.
Coro dos personagens de Adoniran: De ferro e bronze O trem das onze
Voltará,
Em Jaçanã bem de manhã Apitará.
Comemoremos Mato Grosso eu e Joça Com Iracema e o Arnesto na maloca.
Maneco Tatit: Soja disse que este ano vem Coro dos personagens de Adoniran: Andar de trem, Maneco Tatit: E o milho vai querer também Coro dos personagens de Adoniran: Andar de trem,
Maneco Tatit: Feijão disse que ninguém vai ficar sem Coro dos personagens de Adoniran: Andar de trem.
Maneco Tatit: Inês e todo o pessoal da Mooca e do Belém
Coro dos personagens de Adoniran: Andar de trem.
Coro dos personagens de Adoniran: De ferro e bronze… etc.
Maneco Tatit: Frankfurt, Roma, Europa forte,
É povo rico de toda sorte,
Tudo barateia nesse transporte; Até Las Vegas,
Ó trem carregas pra Nova Iorque, Mas aqui o gringo tirou o trilho Pra não deixar trem passar.
Coro dos personagens de Adoniran: e ferro e bronze… etc.

16. BEATLES A GRANEL

Tom Zé

Maneco Tatit: Amar, amar, amar Coro da anima: Demais é só
Maneco Tatit: Sofrer demais é só Coro da anima: De nada há
Maneco Tatit: Sobrar de nada há
Coro da anima: Faça melhor
Maneco Tatit: Que Deus faça melhor
Coro da anima: Amar, amar
Maneco Tatit: Amar
Diotima de Mantinéia: Olhe aí o macho a cantar Maneco Tatit: Amar
Diotima de Mantinéia: Mentiras a desfiar
Tatit e Diotima de Mantinéia: No seu tralalá Amar, amar, amar
Se a mulher enternecer É pão-de-ló
No suco de caju
Mas se ela enfurecer Pra ele é só
Amor com Red Bull
Maneco Tatit: Amar é só só só viver Diotima de Mantinéia: Tirando versos vai Maneco Tatit: Pra ser
Diotima de Mantinéia: Na velha lira, sua lira… Maneco Tatit: A casca pro outro
Diotima de Mantinéia: No cio eterno seu Maneco Tatit: Viver
Diotima de Mantinéia: Delira, ele delira, ele delira Maneco Tatit: E ter e ter e ter
Teresa: Quanto maior romantismo
Mais cruel se transfigura O carinho em tortura
Maneco Tatit: Amarguras mil sem ter Por que nem pra que tecer
E ser…
Teresa: Destruindo a mulher Vai ficar sem o tripé,
Sem panela e sem colher
Maneco Tatit: Como uma varinha de condão Pra quando riscar no chão
Espalhar…
Maneco Tatit, Teresa e Diotima: Espalhar no céu Beatles a granel
Em sonhos de papel Porque na vida Amar é fel e mel Amar é fel e mel
Teresa, recitativo: Mel? Mel o quê, seu vagabundo! Quero lhe mostrar algumas das crueldades que caíram sobre a mulher nestes séculos. Então fique aí escutando, vamos ver.