O Pirulito da Ciência

FICHA TÉCNICA

SARAPUÍ Produções Artísticas Ltda
Guia de Rótulo / Label Copy
Título: O pirulito da ciência, Tom Zé & Banda Ao Vivo     Gravado ao vivo no Teatro Fecap – SP
Intérprete (Artista): Tom Zé     Direção musical: Tom Zé
Configuração:     Direção: Charles Gavin
Etiqueta (label):     Engenheiro de mixagem: Denilson Lelis
Nº Catálogo: BF 781     Coordenação de Produção: Joana Hime
Código de Barras: 789832475781-5     Produção: Raquel Deleuse
Data de Produção: setembro 2009     Duração total aproximada: 2 horas
Data de Lançamento: novembro 2009     Legendas: Português, inglês e espanhol
(P) Sarapuí Produções Artísticas Ltda.     Sistema de Áudio: Dolby digital 2.0 e  5.1
© Sarapuí Produções Artísticas Ltda.     Legendas: Português, inglês e espanhol

Sistema de Áudio: Dolby digital 2.0 e  5.1

Sobre Tom Zé

A carreira de Tom Zé teve início nos loucos anos 60, época em que colocar um “disco na vitrola”, ligar um rádio ou TV, era motivo de surpresa, de beleza nova, provocadora. Em todos os países do mundo a criatividade transbordava pelos meios de comunicação e o público consumidor queria sempre mais, seja na área da MPB, do rock, do jazz ou da música de concerto.

Dizer que Tom Zé “participou” daquele momento histórico, é injusto. Ele foi, isto sim, um dos principais responsáveis na época pelo que houve de mais revolucionário e talentoso em nossa música. E, por um acidental e saudável contato com um grande músico norte-americano, seu trabalho espalhou-se com facilidade mundo afora, provando que não se tratava de “gracinhas” de um baiano perdido no caos paulista, mas de obra de expressivo estofo universal.

O cantor, compositor, músico experimental e jardineiro Tom Zé lançou pela Biscoito Fino o DVD O pirulito da ciência, Tom Zé & Banda Ao Vivo. Uma verdadeira retrospectiva que carrega além de 24 composições importantíssimas de sua carreira, casos divertidos de episódios de sua vida, imagens, palavras e melodias de um dos artistas mais importantes da música brasileira de todos os tempos.

A sintonia com sua excelente banda está exposta. Entre as execuções de canções memoráveis estão  Tô, Heim? e Ui (você inventa) do aclamado álbum Estudando o Samba, de 1975. Brilham também, dentre outras, Augusta, Angélica e Consolação e Brigitte Bardot (do disco Todos os Olhos, de 1973), Menina Jesus (do disco Correio da Estaçao do Brás, de 1978), São São Paulo e Parque industrial (do disco de estreia Grande liquidação, de 1968), Fliperama (do CD The hips of tradition, de 1992, de onde o termo “O Pirulito da Ciência” foi extraido e acabou virando o título do projeto) e a recriaçao/ encenaçao de João nos tribunais/ O céu desabou/ Síncope Jãobim, faixas do mais recente trabalho, o CD Estudando a Bossa, de 2008.

As filmagens do DVD aconteceram em São Paulo, em 2009, no Teatro da Fecap.

Direção e produção: Charles Gavin
Co-direção: Pietro Sargentelli.
Cenário e Figurinos: Laura Andreato.
Coordenação Geral: Joana Hime
Produção executiva: Oscar Rodrigues Alves

Um pouco de Tom Zé

Seu nome de batismo do cantor, compositor e arranjador baiano é Antônio José Santana Martins. É considerado uma das figuras mais originais da música brasileira.

Participou ativamente da Tropicália nos anos 60. Passou a década de 1970 e 1980 avançando ainda mais seu pop experimental em álbuns relativamente herméticos, sem atrair a atenção do grande público. No final dos anos 1980, é “descoberto” pelo músico David Byrne (ex-Talking Heads), em uma visita ao Rio de Janeiro, que lança sua obra nos Estados Unidos, para grande sucesso de crítica.

Lentamente sua carreira se recuperou e Tom Zé passou a atrair platéias da Europa, Estados Unidos e Brasil, especialmente após o lançamento do álbum Com Defeito de Fabricação, em 1998 (eleito um dos dez melhores álbuns do ano pelo The New York Times).

Músicas:

1. Nave Maria
2. Fliperama
3. Ui! (Você Inventa)
4. Companheiro Bush
5. Cultura de Irará
6. Hein?
7. Augusta, Angélica e Consolação
8. Menina Jesus
9. Ogodô, Anos 2000
10. Tô
11. Roquenrol Bim-Bom
12. Brigitte Bardot
13. Todos os Olhos
14. Jimmi Renda-se/Moeda Falsa
15. Defeito 3: Politicar
16. Faça Suas Orações

Letras:

1. Nave Maria

Dudu, bidu, bidu, bidu, bi mama água
Dudu, bidu, bidu, papá, dá, dá-á
Quando eu cheguei das estrelas entrei na terra
por uma caverna chamada Nascer
E eu era uma nave uma ave
da ave-maria
e como uma fera que berra
entrei
na atmosfera
E cuspido, espremido, petisco de visgo, forçando a passagem pela barreira, sangrando, rasgando, subindo a ladeira, orgasmo invertido, gritei quando vi:
já estava respirando.

2. Fliperama

Flip, flip, flip
Filip, flip, filip, filip, flip Flipé – pépé – pépé – pépé
Rará – rará – rará – rará Rará – rará – rará – rá
Râ – mamá – mâma – mamá – mamá Fliperama
O louco comandante Flip com a sua moedinha
quer fazer uma guerra na Terra
Oferece um caminhão e o seu cinturão Que para a batalha não falha.
E no quarto faz com ela A terceira arruela
Do amor que tem a violência, Com o pirulito da ciência – á – á – á Com o pirulito da ciência – á – á Pelo pirulito da ciência – â – â
Pelo pirulito da ciência – â Apelo

3. Ui! (Você Inventa)

Você inventa – grite!
Eu invento – ai!
Você inventa – chore!
Eu invento – ui!
Você inventa o luxo Eu invento o lixo Você inventa o amor Eu invento a solidão…
Você inventa a lei
E eu invento a obediência Você inventa a deus
E eu invento a fé
Você inventa o trabalho E eu invento as mãos Você inventa o peso
E eu invento as costas Você inventa a outra vida Eu invento a resignação Você inventa o pecado
E eu fico aqui no inferno Meu Deus, no inferno Valha-me Deus

4. Companheiro Bush

Se Você Já Sabe Quem
Vendeu Aquela Bomba Pro Iraque, Desembuche.
Eu Desconfio Que Foi O Bush.
Foi O Bush, Foi O Bush. Foi O Bush.
Onde Haverá Recurso Para Dar Um Bom Repuxo No Companheiro Bush.
Quem Arranja Um Alicate
Que Acerte Aquela Fase Ou Corrija Aquele Fuso,
Talvez Um Parafuso Que Ta Faltando Nele Melhore Aquele Abuso. Um Chip Que Desligue Aquele Terremoto, Aquela Coqueluche.
Se Você Já Sabe etc.

5. Cultura de Irará

Minha terra é boa, plantando dá
o famoso abacaxi de irará. Minha terra é boa, plantando dá
o famoso abacaxi de irará Moça emperrada namora e o noivo não quer casar
se apega ao bom Santo Antônio
e o noivo este ano ainda vai pensar Falou véio
dá um chá de abacaxi de Irará
que é pro noivo se animar Minha terra é boa,
plantando dá
o famoso abacaxi de irará Véio viúvo com setenta anos ainda quer casar
Pergunto pra ele o segredo e peço pra me contar Falou o véio:
Vá comendo abacaxi de Irará
que você vai se animar

6. Hein?

Ela disse:
-Nego, nunca me deixe só!
Mas eu fiz de conta que não ouvi:
-Hein? Ela disse:
-Orgulhoso, tu inda vai virar pó! Mais eu insisti, dizendo:
-Hein? Hein? Hein? Hein? Hein? Hein? Hein? Hein? Eu insisto:
-Hein? Hein? Hein? Hein? Hein? Hein? Hein?
Ela arrepiou e pulou e gritou:
-Este teu – hein? – muleque Já me deu – hein? – desgosto Odioso – hein? com jeito
Eu te pego – Ui! bem feito Prá rua – sai! – sujeito
Que eu não quero mais te ver
-Eu dei casa e comida O nego ficou besta Tá querendo explorar Quer me judiar
Me desacartar!

7. Augusta, Angélica e Consolação

Augusta, graças a deus, Graças a deus,
Entre você e a angélica Eu encontrei a consolação Que veio olhar por mim
E me deu a mão. Augusta, que saudade, Você era vaidosa,
Que saudade,
E gastava o meu dinheiro, Que saudade,
Com roupas importadas E outras bobagens.
Angélica, que maldade, Você sempre me deu bolo, Que maldade,
E até andava com a roupa, Que maldade,
Cheirando a consultório médico, Angélica.
Augusta, graças a deus, Entre você e a angélica Eu encontrei a consolação Que veio olhar por mim
E me deu a mão.
Quando eu vi
Que o largo dos aflitos Não era bastante largo Pra caber minha aflição,
Eu fui morar na estação da luz, Porque estava tudo escuro Dentro do meu coração.

8. Menina Jesus

comentário:
O nordestino que vem tentar o Sul só pode visitar os seus quando tiver comprado três importantes símbolos da civilização: um rádio de pilha, um relógio de pulso e um par de óculos escuros.
Valei-me, minha menina Jesus minha menina Jesus
minha menina Jesus, valei-me.
Só volto lá a passeio
no gozo do meu recreio, só volto lá quando puder
comprar uns óculos escuros.
Com um relógio de pulso
que marque hora e segundo, um rádio de pilha novo cantando coisas do mundo — pra tocar.
Lá no jardim da cidade, zombando dos acanhados. dando inveja nos barbados e suspiros nas mocinhas…
Porque pra plantar feijão eu não volto mais pra lá eu quero é ser Cinderela, cantar na televisão…
Botar filho no colégio, dar picolé na merenda. viver bem civilizado, pagar imposto de renda.
Ser eleitor registrado, ter geladeira e tv, carteira do ministério, ter cic, ter rg.
Bença, mãe.
Deus te faça feliz minha menina Jesus
e te leve pra casa em paz.
Eu fico aqui carregando o peso da minha cruz
no meio dos automóveis, mas
Vai, viaja, foge daqui que a felicidade vai atacar pela televisão
E vai felicitar, felicitar felicitar, felicitar
felicitar até ninguém mais respirar.
Acode, minha menina Jesus minha menina Jesus
minha menina Jesus, acode.

9. Ogodô, Ano 2000

Ô
Ogodô
Ogodô ogodô ogodô ogodô O ogodô
Ogodô ogodô ogodô ogodô
Talac-tac-tac-tac tamborim Teleco-teco-teco-teco violão Toloc-toc-toc-toc agogô
Ti-lic-til ano 2000, ano 2000
Talac-tac-tac-tac tamborim Teleco-teco-teco-teco violão Toloc-toc-toc-toc agogô
Tô-lôc-tô twenty 00, twenty 00
A ciência excitada Fará o sinal da cruz
E acenderemos fogueiras
Para apreciar a lâmpada elétrica.
The science in her trance Will make the sign of cross And we will light bonfires
To appreciate the electric bulb.
Talac-tac…
Ogodõ…

10. Tô

Tô bem de baixo prá poder subir Tô bem de cima prá poder cair Tô dividindo prá poder sobrar Desperdiçando prá poder faltar Devagarinho prá poder caber Bem de leve prá não perdoar Tô estudando prá saber ignorar
Eu tô aqui comendo para vomitar
Eu tô te explicando Prá te confundir
Eu tô te confundindo Prá te esclarecer
Tô iluminado Prá poder cegar Tô ficando cego Prá poder guiar
Suavemente prá poder rasgar Olho fechado prá te ver melhor Com alegria prá poder chorar Desesperado prá ter paciência Carinhoso prá poder ferir Lentamente prá não atrasar Atrás da vida prá poder morrer
Eu tô me despedindo prá poder voltar

11. Roquenrol Bim-Bom

Bim-bom bim-bom … … … … …
Um roquenrol, obladi,
bem roquenrol, obladá, (bis) balada e soul, obladi,
tal como eu sou, obladá.
Vai passando nos quintais e os velhos casais dançando no salão cantam seu refrão.
Um roquenrol um daqueles tais velho até demais
que o tempo enferrujou e o terno desbotou.
Um roquenrol vapor de Cachoeira não navega mais no mar
ô marinheira, o jeito casar.

12. Brigitte Bardot

A Brigitte Bardot está ficando velha, envelheceu antes dos nossos sonhos. Coitada da Brigitte Bardot,
que era uma moça bonita,
mas ela mesma não podia ser um sonho para nunca envelhecer.
A Brigitte Bardot está se desmanchando
e os nossos sonhos querem pedir divórcio.
Pelo mundo inteiro
têm milhões e milhões de sonhos que querem também pedir divórcio e a Brigitte Bardot agora
está ficando triste e sozinha.
Será que algum rapaz de vinte anos vai telefonar
na hora exata em que ela estiver com vontade de se suicidar?
Quando a gente era pequeno, pensava que quando crescesse
Ia ser namorado da Brigitte Bardot, mas a Brigitte Bardot
está ficando triste e sozinha

13. Todos os Olhos

De vez em quando
todos os olhos se voltam pra mim, de lá de dentro da escuridão, esperando e querendo
que eu seja um herói.
Mas eu sou inocente, eu sou inocente,
eu sou inocente.
De vez em quando
todos os olhos se voltam pra mim, de lá do fundo da escuridão esperando e querendo
que eu saiba.
Mas eu não sei de nada, eu não sei de ná,
eu não sei de ná.
De vez em quando
todos os olhos se voltam pra mim, de lá do fundo da escuridão esperando que eu seja um deus
querendo apanhar, querendo que eu bata, querendo que eu seja um Deus.
Mas eu não tenho chicote,
eu não tenho chicote, eu não tenho chicó.
Mas eu sou até fraco, eu sou até fra
eu sou até fra

14. Jimmi Renda-se/Moeda Falsa

Guta me look mi look love me Tac sutaque destaque tac she
Tique butique que tique te gamou Toque-se rock se rock rock me Bob Dica, diga,
Jimi renda-se!
Cai cigano, cai, camóni bói Jarrangil century fox
Galve me a cigarrete Billy Halley Roleiflex
Jâni chope chope chope chope Ô Jâni chope chope
Ie relê reiê relê
Moeda Falsa
O dólar é moeda falsa
Americano ja não segura as calças Alemanha quase pedindo esmola
A inglesa não usa mais calçola
Na itália não tem mais sutiã
Suiça não lava a bunda de manhã
Ô, cabrobró
Eles vão toma no fiofó Ô, cabrobró
Eles vão toma no fiofó

15. Defeito 3: Politicar

Filha da prática Filha da tática Filha da máquina
Essa guerra sem-vergonha (BIS) Na entranha
Não estranha nada
Meta sua grandeza No Banco da esquina Vá tomar no Verbo Seu filho da letra
Meta sua usura Na multinacional Vá toma no virgem Seu filho da cruz
Meta sua moral
Regras e regulamentos Escritórios e gravatas Sua sessão solene
Pegue, junte tudo Passe vaselina Enfie, soque, meta
No tanque de gasolina

16. Faça Suas Orações

A gente já mente no gene A mente do gene da gente Faça suas orações
Uma vez por dia
Depois mande a consciência Junto com os lençóis
Pra lavanderia